O fim da polêmica dos difusores?

Realmente não sei se a polêmica chegou ao fim. Sim, a FIA decretou os difusores de 3 equipes ilegais e estes terão que ser trocados antes do GP da Austrália, próximo dia 28, porém fica uma dúvida no final.

Primeiro, vamos esclarecer essa história, que aliás, foi assunto no blog dias atrás:

15/03/2010:

Acontece o seguinte:

Na parte em que o difusor se encontra, parte traseira abaixo da asa, existe uma abertura em benefício da ignição, em caso de acidentes e imprevistos com o monoposto. Porém, a McLaren e algumas outras equipes, como espertas que são, se “aproveitaram” desse espaço gerado pela abertura para criar um novo canal para saída do fluxo de ar. Isto daria uma leve ajuda aerodinâmica, mas é difícil dizer com precisão qual seria a força da mudança.

Existe um artigo no regulamento da FIA que explica a função:

A superfície aberta neste local serve apenas para que se possa efetuar a entrada do dispositivo com segurança, sem intervenções aerodinâmicas.

Explicando: De acordo com o regulamento técnico da F-1, um buraco no difusor pode existir para a introdução da peça que liga o motor.

Voltando a atualidade, e como você pode observar aí acima, é um espaço no mínimo complexo e que muitas equipes podem beneficiar com pequenas entradas de ar, que ao mesmo tempo ajudam na o desenvolvimento do carro, ou não.

As três equipes envolvidas são McLaren, Mercedes e Renault. Com o comunicado da FIA, elas terão que rapidamente mudar o aspecto do difusor para que não haja nenhum benefício na abertura polêmica.

O fato de isso ter acontecido mostra a atitude não eficaz da FIA em ter deixado o difusor em 2010. A proibição da peça só virá em 2011, ou seja, teremos este ano inteiro para discutir sobre o assunto. Cautelosa, a Federação Interncaional de Automobilismo avisou com mais de uma semana de antecedência para que problemas futuros não aconteçam.

Concluindo, se a McLaren, em particular, pensava que poderia bater Ferrari e Red Bull usando todas aquelas parafernálias na aerodinâmica do seu carro, não deu certo, (pelo menos por enquanto) e que se segure, porque os touros e cavalos prometem brilhar em 2010.

10 comentários em “O fim da polêmica dos difusores?

  1. Tomás, perfeita sua avaliação, deveria ter proibido o difusor junto com o Kens.

  2. Esperemos que sea el final de la polémuca y para el próximo año que quiten el doble difusor, saludos

    • El doble difusor já esta quitado oficialmente en 2011, Silvio.
      Por ese lado, sin preocupaciones.

      saludos

  3. Confira todas as notas e comentários do time de jornalistas do Grande Prêmio que acompanharam o GP do Bahrein:

    FERNANDO ALONSO – 9,1
    Flavio Gomes – 8: Não fez uma grande classificação, mas largou bem e estava no lugar certo quando Vettel teve problemas. Depois, controlou a corrida.
    Marcus Lellis – 9,5: Consistente durante o fim de semana, atacou Massa na hora certa, na vantagem, controlou a desvantagem para Vettel e contou com a sorte no problema do alemão. Inegavelmente, o melhor.
    Felipe Paranhos – 10: Estreou com vitória. Pela Ferrari. Pra que melhor?
    Luana Marino – 8: Ficou atrás de Massa na classificação, mas largou melhor que o brasileiro – detalhe que acabou sendo decisivo para determinar o vencedor quando Vettel teve problemas.
    Fernando Silva – 10: Melhor estreia pela Ferrari, impossível. Classificou atrás de Massa, mas largou melhor, e superou o companheiro de equipe nas primeiras curvas. Fez a volta mais rápida da corrida. Ainda foi beneficiado pelo problema de Vettel. Sorte de campeão.

    FELIPE MASSA – 8,3
    FG – 7: A má largada foi decisiva. Manteve-se perto de Alonso, mas não conseguiu atacá-lo. Na classificação, melhor que o espanhol.
    ML – 9: Bem no treino classificatório, em que ficou na frente do Alonso, deve ter se surpreendido com o ímpeto do espanhol e perdeu a posição para ele no início. Depois, não impôs o ritmo necessário para recuperar o lugar. Teve problemas no fim, que limitaram seu trabalho.
    FP – 9: Retorno melhor, só se vencesse. Mas não há motivo para achar fracasso o segundo lugar. Ótimo fim de semana.
    LM – 7,5: Perdeu a corrida na má largada. Mas Massa provou que o acidente na Hungria não deixou qualquer sequela e nem o fez aliviar o pé nas classificações, já que conseguiu superar Alonso no primeiro grid do ano.
    FS – 9: Depois de longa ausência, o brasileiro mostrou bom ritmo. Mas os problemas de consumo na sua Ferrari o impediram de lutar pela vitória. O segundo lugar coroou o retorno às pistas. Pode lutar pelo título.

    LEWIS HAMILTON – 7,9
    FG – 7: O carro não é rápido o bastante, ainda. Assim, correu para fazer o máximo possível de pontos. Quando Vettel teve problemas, aproveitou.
    ML – 8: Quase sempre atrás de Vettel e da Ferrari, mas foi novamente competente. Mesmo com o problema dos outros, conseguiu levar a McLaren, inferior à equipe italiana e à Red Bull, ao pódio com uma atuação segura.
    FP – 9: Apesar de ficar atrás de Rosberg no início da prova, conseguiu ser rápido o suficiente para ser “o melhor do resto” — já que estava mais de 10s atrás de Vettel, Massa e Alonso quando o carro da Red Bull começou a ter problemas.
    LM – 7: Esperava-se mais da McLaren. A classificação foi discreta, e Hamilton acabou beneficiado pelo problema de Vettel para ir ao pódio.
    FS – 8,5: Além do pódio, deixou boa impressão ao superar Button. Passou sufoco com Rosberg. Chegar em terceiro foi um prêmio, pois ainda não tem carro para andar perto de Ferrari e Red Bull.

    SEBASTIAN VETTEL – 9,6
    FG – 9: Fez a pole, largou bem, tinha a corrida nas mãos. Aí uma vela do motor deu piripaque. Ainda assim, terminou em quarto.
    ML – 9: Foi vítima do motor Renault. Caminhava para um fim de semana perfeito, até a vela de seu carro ter problemas. Méritos por ter conseguido levar seu carro até o fim. O quarto lugar acabou sendo ótimo nessas condições.
    FP – 10: Tomou a pole dos favoritos da Ferrari e vinha absoluto na prova. Não fosse o problema no RB6, venceria.
    LM – 10: Merece dez. Pole-position, fez uma boa largada e conseguiu imprimir um bom ritmo na corrida. Mas aí o motor Renault resolveu mostrar já no primeiro GP que vai ser o calcanhar de Aquiles do jovem alemão no ano.
    FS – 10: O grande nome da prova. Cravou a pole com autoridade e venceria com facilidade, não fosse o problema no motor Renault. Perdeu pontos importantes. Será o maior adversário de Alonso na luta pelo campeonato.

    NICO ROSBERG – 7,7
    FG – 7: Melhor que Schumacher, mostrou velocidade e consistência. Mas não conseguiu atacar Vettel no fim.
    ML – 7,5: Para quem tem Michael Schumacher como companheiro, foi um excelente fim de semana. Voltou a ser o rei da sexta-feira, largou na frente de Schumi e terminou como o melhor da Mercedes, que ainda está abaixo das rivais.
    FP – 8,5: Chegou ao limite da Mercedes e superou Schumacher — esta sua melhor vitória.
    LM – 7: A Mercedes está um passo atrás de Ferrari e Red Bull, mas Rosberg até que fez uma corrida de estreia razoável. Ficou à frente de Schumacher, ok, mas não fez mais que a obrigação por se tratar de um piloto que estava parado há três temporadas.
    FS – 8,5: Andou na frente de Schumacher em todo o fim de semana. Não cometeu erros. Quase ultrapassou Vettel no fim. Se a Mercedes evoluir, vai dar trabalho em 2010.

    MICHAEL SCHUMACHER – 7
    FG – 6: Para quem estava parado havia tanto tempo, não foi ruim. Segurou bem Button e Webber no fim.
    ML – 7: Reestreia razoável. Há de se ressaltar que eram três anos longe da F1, até um grande campeão como ele sente a falta de ritmo. E o carro da Mercedes ainda não lhe dá condições para brigar lá na ponta.
    FP – 6,5: Não dava para fazer muito com a Mercedes. Mas não combateu Rosberg, que tinha o mesmo carro. O grau de exigência com Schumi é alto…
    LM – 7: Para quem ficou três temporadas longe das pistas, foi um excelente resultado. Largou bem. Chegou atrás do companheiro, é verdade, mas mostrou que só precisa de mais algumas corridas para pegar o ritmo e embalar.
    FS – 8,5: Após três anos fora das pistas, chegar em sexto em seu retorno foi um grande resultado. Apesar de não ter sido páreo para Rosberg, o heptacampeão mostrou que pode fazer mais ao longo a temporada.

    JENSON BUTTON – 5,6
    FG – 5: Preocupou-se demais em poupar os pneus no começo e, com isso, foi ficando para trás. Estreia discreta pela McLaren.
    ML – 5: Ainda não se achou na McLaren. O carro pode não ser dos melhores, mas teve desempenho bem inferior ao de Hamilton.
    FP – 6: O carro da McLaren não é bom, mas o inglês foi pouco combativo durante o final de semana inteiro.
    LM – 6: Estreia discretíssima do atual campeão, que ficou muito preocupado com os pneus. Deu para perceber no Bahrein que McLaren e Mercedes devem travar um duelo particular um pouco atrás de Ferrari e Red Bull, mas isso pode mudar já na próxima corrida. O que ficou claro, no entanto, é que Button terá que suar o macacão para superar Hamilton.
    FS – 6: Não foi a estreia sonhada pela McLaren. Apenas discreto na classificação. Por pouco ficou fora do Q3. Na corrida, sumido. Levou uma “surra” de Hamilton. Quase foi superado por Webber no fim.

    MARK WEBBER – 4,8
    FG – 5: Teve problemas técnicos nos treinos livres e, na corrida, não foi agressivo o bastante para tentar um ataque a Button.
    ML – 4: Decepcionante. Mal na classificação, não começou bem o GP, parecia que tinha tido um problema no motor, ficou sempre na turma intermediária. Enfim, muito pior do que seu parceiro Vettel.
    FP – 4: Fraco. Nessas corridas, vemos o abismo técnico que o separa de Vettel.
    LM – 5: Foi ofuscado por Vettel durante o fim de semana inteiro. Na corrida, vendo que seria praticamente impossível ultrapassar Schumacher e Button, tentou induzi-los ao erro, mas sem sucesso.
    FS – 6: Uma das decepções do fim de semana. Ficou bem atrás de Vettel, tanto no sábado quanto no domingo. Não conseguiu superar Button e Schumacher, mesmo com um carro superior.

    VITANTONIO LIUZZI – 7
    FG – 7: Não se destacou na classificação, mas aproveitou bem os problemas dos outros na largada e marcou os primeiros pontos.
    ML – 6,5: Não tinha acompanhado o ritmo do companheiro Sutil no treino, mas com o incidente do alemão logo na largada, assumiu o papel de líder da Force India. E foi bem, na medida do possível. A FI promete melhorar bastante durante o ano. Fora do G4, foi a melhor.
    FP – 7,5: Com ritmo sólido, foi rápido e foi o primeiro da equipe a pontuar. Não vai facilitar para Sutil.
    LM – 7: Definitivamente, a Force India entrou no grupo das equipes que vão lutar por pontos o ano todo. A disputa vai ser ferrenha, mas Liuzzi conseguiu faturar alguns já no Bahrein, compensando a classificação com uma boa corrida.
    FS – 7: Prova consistente. Marcou os primeiros pontos da Force India no ano. Melhor colocado depois dos pilotos das quatro grandes equipes. Superou Sutil no domingo com sobras.

    RUBENS BARRICHELLO – 6,1
    FG – 5: Mesmo largando com pneus duros, sentiu que o carro não tem velocidade suficiente para brigar com a turma da frente.
    ML – 6,5: Outro que na medida do possível foi bem. A Williams ainda não tem performance para desafiar o G4. Portanto, estar nos pontos sempre é um bom resultado. Também foi importante terminar à frente de Hulkenberg, que vislumbrou uma vitória sobre o brasileiro na disputa interna da Williams. A partir da classificação, Barrichello se impôs.
    FP – 7: Ficou claro durante o fim de semana que o limite para a Williams era a barreira dos dois pontos. Conseguiu um. Já é lucro.
    LM – 6: Entrou na zona de pontuação, o que é bom, mas Barrichello sabe que vai ser difícil subir mais posições com a Williams e tendo adversários com carros mais competitivos.
    FS – 6: Apenas regular. Fez o possível pelo carro que tem. Ao menos ficou à frente de Hülkenberg. Por fim, marcar um ponto na corrida de estreia serve como prêmio de consolação.

    ROBERT KUBICA – 6,3
    FG – 6: Muito bem na classificação, colocando a Renault no Q3. Na largada, rodou tocado por Sutil. Recuperou-se, mas não deu para pontuar.
    ML – 6: O incidente com Sutil na largada minou suas chances de pontos. Porque tinha tudo para isso. Foi bem na classificação, colocou o mediano carro da Renault entre os dez primeiros. E o 11º lugar não foi de tão ruim para quem ficou lá atrás.
    FP – 6: Depois da surpresa na classificação, levando a Renault ao top-10, um mau começo de corrida e uma boa recuperação
    LM – 6: Foi prejudicado pelo toque de Sutil na largada. Mas fez uma boa corrida e quase marcou pontos. O importante é que, mesmo tendo um carro menos competitivo, mostrou mais uma vez que é bom de braço e que pode figurar mais vezes no Q3 e na zona de pontuação.
    FS – 7,5: Destaque da classificação no sábado ao entrar no Q3, quando ninguém apostava no polonês. Certamente alcançaria os pontos, não fosse o incidente com Sutil. Mostrou que a Renault não é tão ruim.

    ADRIAN SUTIL – 5,4
    FG – 6: Como Kubica, foi vítima da cortina de fumaça de Webber na largada. Rodou e perdeu a chance de pontuar. Bem no sábado.
    ML – 5: Dava pinta de um grande fim de semana, mas se engalfinhou com Kubica e perdeu a chance de pontuar.
    FP – 5: Mau começo, confusão com Kubica. Boa recuperação, mas acabou ficando atrás do adversário.
    LM – 6: Se Liuzzi marcou pontos, Sutil foi o dono da façanha de colocar a Force India no Q3 já na primeira classificação do ano. Ficou perdido em meio à fumaça do carro de Webber na largada, chegando a tocar em Kubica, o que comprometeu sua prova.
    FS – 5: De positivo fez a segunda volta mais rápida da corrida. Após chegar ao Q3, a expectativa era por uma boa prova. Prejudicado na largada, o alemão fez uma corrida apenas burocrática.

    JAIME ALGUERSUARI – 3,5
    FG – 4: Não passou do Q1, o que é ruim quando se compara seu trabalho com o do companheiro Buemi.
    ML – 4: Levou a Toro Rosso até o fim. Nada demais.
    FP – 3: Foi o “premiado” com a queda ainda no Q1, fazendo companhia às menores equipes do grid. No domingo, fez o óbvio com o carro que tinha: terminou à frente das novatas e dos que erraram feio mais à frente.
    LM – 3: Sobrou para ele a última vaguinha dos degolados no Q1. Na prova, não fez nada de mais.
    FS – 3,5: Apagado. No sábado, uniu-se às equipes pequenas e não avançou ao Q2. No domingo foi um pouco melhor que Buemi. Ao menos não tomou volta de Alonso.

    NICO HÜLKENBERG – 3,1
    FG – 4: Bem nos treinos livres, mas depois foi ficando para trás, na classificação e na corrida. Chegou a rodar sozinho.
    ML – 3: Prometia mais nos treinos livres, quando ficou na frente de Barrichello e chegou a beliscar um lugar entre os dez primeiros. Foi bem discreto tanto na classificação, como na corrida.
    FP – 2: Afoito, vacilou logo no início da prova e estragou o que seria sua atuação. Depois, remou de volta ao pelotão intermediário, mas não conseguiu muito.
    LM – 3: Não correspondeu às expectativas dos treinos livres e ainda rodou sozinho na corrida. Só conseguiu ficar à frente de Kovalainen, levando em conta que Buemi e Trulli não chegaram a completar as 49 voltas.
    FS – 3,5: Esperava-se mais do atual campeão da GP2. Só apareceu quando rodou no início da corrida, quando quase ocasionou um acidente sério. Pagou caro pelo noviciado, mas deve evoluir.

    HEIKKI KOVALAINEN – 7,2
    FG – 6: Recebeu a bandeira quadriculada com a novata Lotus, resultado que deve ser comemorado.
    ML – 7,5: Cruzar a linha de chegada com a estreante Lotus já é um grande feito. Ficando na frente de uma Toro Rosso é mais ainda. Tem de celebrar.
    FP – 7,5: Foi melhor que Trulli e completou a corrida.
    LM – 7: Palmas para Kovalainen, que foi o único dos pilotos das novas equipes a ver a bandeira quadriculada no Bahrein.
    FS – 8: Heroico. Conseguiu levar a Lotus ao final da prova, e levou apenas uma volta do vencedor. Melhor começo, impossível.

    SÉBASTIEN BUEMI – 3
    FG – 4: Pelo menos passou do Q1 no sábado. Mas na corrida, não fez nada de excepcional. Parou no fim.
    ML – 2: Não fazia nada demais, quando quebrou faltando três voltas. Assim, seu nome ficou atrás de uma Lotus na classificação final. Fica feio de qualquer maneira.
    FP – 3: Fraaaco. Nem pareceu aquele piloto que surpreendeu na segunda metade da temporada passada. Terminar atrás da Lotus é para lamentar.
    LM – 4: Alegou ter tido vários problemas na corrida, e por isso não conseguiu nenhum resultado notável. Mas a Toro Rosso não foi bem.
    FS – 2: O pior do fim de semana. Largou muito mal. Foi mais lento que a Lotus. No final, o STR5 apresentou problemas e parou a 3 voltas do fim.

    JARNO TRULLI – 5,8
    FG – 5: Esforçou-se para levar um carro estreante até o fim e quase conseguiu. Completou 46 voltas, uma vitória.
    ML – 5: O objetivo era terminar a prova. Quase o cumpriu. Está de bom tamanho.
    FP – 6,5: Atuação conservadora, como exige a Lotus. Abandono no fim, mas boa corrida.
    LM – 6: Também merece reconhecimento pelo esforço com a novata Lotus. Por muito pouco não viu a quadriculada, mas fez aquilo que tinha de ser feito: levar o carro até o fim. Foi 17º.
    FS – 6,5: Fez uma corrida conservadora e chegou ao final. Sofreu com problemas hidráulicos. Levando em conta as condições da Lotus, um ótimo resultado.

    PEDRO DE LA ROSA – 4
    FG – 4: O carro, na pré-temporada, parecia melhor. Fez uma ultrapassagem sobre Kobayashi. Depois, quebrou.
    ML – 3: Um problema mecânico acabou com sua corrida. Ficou com um gosto de decepção em sua reestreia como titular.
    FP – 6: Embora a Sauber tenha feito pouco em relação ao que parecia capaz, foi bem, protagonizando uma das poucas ultrapassagens da corrida, justamente sobre o ompanheiro Kobayashi.
    LM – 4: A BMW Sauber acabou sendo a decepção do Bahrein, pois se esperava muito mais do time depois do que se viu na pré-temporada. De la Rosa ainda tentou terminar a corrida, mas teve problemas e abandonou.
    FS – 3: Quase não apareceu. O bom desempenho apresentado nos testes de inverno não se repetiu no Bahrein. Problemas hidráulicos abreviaram a prova do espanhol.

    BRUNO SENNA – 5,8
    FG – 5: Muito difícil julgar performance, num carro cru. Pelo menos trabalhou duro e não fez nenhuma besteira.
    ML – 6: Fez 17 voltas com o carro da Hispania. Já foi mais do que imaginava fazer.
    FP – 7: Pro que se propôs, foi bem, durou muito, e não caiu na tentação global de derramar emoção em seu primeiro GP.
    LM – 5: Fica na média pelo trabalho junto ao time para ao menos participar do GP do Bahrein. Impossível dar nota por performance.
    FS – 6: Fez milagre ao conseguir percorrer 18 voltas com um carro zerado em quilometragem.

    TIMO GLOCK – 5,2
    FG – 5: Quando andou, foi mais rápido que Di Grassi. Mas o carro da Virgin tem muitos problemas técnicos.
    ML – 4: A classificação tinha sido promissora, só que o carro não suportou a primeira corrida.
    FP – 7: Na classificação, foi o melhor das pequenas — ou seja, fez o máximo que podia. Depois, acabou tendo a prova interrompida por seu câmbio.
    LM – 5: Será uma temporada aos trancos e barrancos com o frágil VR-01. Ao menos foi o primeiro entre todos os pilotos das equipes novas na classificação.
    FS – 5: Fez boa classificação, quando marcou o 19º tempo. Na prova, travou bom duelo com Kovalainen até o cambio da Virgin encerrar a participação do alemão, após 16 voltas.

    VITALY PETROV – 5,7
    FG – 6: Bem nos treinos livres, mal na classificação, mas muito bem no início da prova. Quebrou a suspensão, quando estava perto dos pontos.
    ML – 5: Com problema mecânico, deixou a corrida bem no início. Classificação razoável, corrida promissora.
    FP – 7,5: Escapou das confusões da largada e iniciou bem a prova, mantendo o mesmo ritmo do top-10. Não merecia o problema no eixo do R30.
    LM – 5: Largou bem e fazia uma boa corrida, mas foi traído pela suspensão.
    FS – 5: Uma boa, porém curta estreia. Fez grande largada e ganhou seis posições na primeira volta, mas abandonou com problemas na suspensão. Vai crescer durante a temporada.

    KAMUI KOBAYASHI – 3,2
    FG – 4: Vai sofrer com a falta de dinheiro da Sauber. A equipe foi fogo de palha na pré-temporada.
    ML – 3: Sem um carro forte, não conseguiu mostrar o mesmo desempenho que encantou a todos no fim da temporada passada.
    FP – 3: Esperava mais durante todo o fim de semana.
    LM – 3: Quem esperava ver o mesmo japonês audacioso que brilhou no fim do ano passado teve uma ponta decepção, mas a verdade é que a BMW Sauber deixou a desejar. Kobayashi também não fez nada de mais nas 12 voltas que deu em Sakhir. Parou por problemas.
    FS – 3: Desempenho semelhante ao de De La Rosa. Apagado.

    LUCAS DI GRASSI – 4,4
    FG – 5: Não andou muito, e ficou atrás de Glock no grid. Largou bem, mas sua corrida não durou quase nada.
    ML – 3: Carro quebrado nas primeiras voltas, usou o fim de semana mais como aprendizado.
    FP – 5: Três voltas na corrida, algumas poucas no fim de semana. Foi discreto, mas não por sua culpa.
    LM – 5: Largou bem, mas não conseguiu dar mais que duas voltas em Sakhir. O carro da Virgin é muito frágil.
    FS – 4: Fez tempo semelhante à Kovalainen na classificação. Na corrida andou apenas 3 voltas, antes de parar com problemas hidráulicos, enquanto brigava por posições com Trulli e Glock.

    KARUN CHANDHOK – 4
    FG – 5: Coitado. Estrear na F-1 desse jeito não é para qualquer um. Leva a nota só pelo estresse a que foi submetido.
    ML – 0: Para o indiano, o GP do Bahrein foi um teste coletivo de pré-temporada. Não teve como fazer absolutamente nada. Estreou na classificação e largou. Só. O zero é simbólico, ele nem tem nota.
    FP – 5: Idem. Com ainda menos voltas.
    LM – 5: Como avaliar a performance de um piloto que conseguiu dar apenas cinco voltas no fim de semana inteiro? Mesmo assim, fica na média pelo mesmo motivo do companheiro Senna.
    FS – 5: Chegou ao Bahrein sem ter andado um metro com o carro da Hispania. Percorreu apenas cinco voltas durante o fim de semana, sendo duas na corrida. Um ato de coragem.

    • Obrigado pelo texto Luiz, vou usá-lo como referencia para alguns fatores dos próximos posts.
      Ótimas.

      Abraço!

  4. é tomas…..realmente foi uma decisao equivocada deixar os difusores…
    é dificil saber os criterios da fia….
    sempre sao conturbados….con decisoes pautadas em interesses

    • Imagino que deve ver alguma clausula, mas a FIA muda tudo a todo o momento..
      “con decisoes pautadas em interesses”.
      Tudo é interesse no submundo da F1..
      Hehehe

      abraço Gabriel

  5. Buraco Ilegal!

    O artigo 3.12.7 do Regulamento Técnico da F-1 estabelece que os difusores podem ter um buraco para a passagem do eixo do motor de ignição. Não especifica dimensões, fala apenas em “acesso mínimo” do equipamento.

    Pois bem, reside aí a nova polêmica. Algumas equipes teriam abusado no formato deste buraco, tornando-o aerodinamicamente mais eficiente. Whiting percebeu isso no Bahrein e pediu mudanças para Melbourne.

    A FIA não divulgou nomes, mas a boataria fala em Renault, Mercedes e McLaren. Newey revelou que outros dois times receberam o puxão de orelha. “Não vou dizer quais são, mas a Ferrari não está entre eles”, comentou.

    • ““Não vou dizer quais são, mas a Ferrari não está entre eles”, comentou.”

      Isso é medo ou precaução?
      hehehe

      abraço

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: