Red Bull: Finalmente campeã!

Não há dúvidas de que a Red Bull está evoluindo de forma incrível nas últimas duas temporadas. Já dava sinais de triunfo em 2009, quando se tornou a melhor equipe após a segunda metade da temporada e cravou o vice-campeonato com Vettel. E em 2010, a evolução se confirmou com o indiscutível títulos de pilotos, e obviamente, o de construtores.

Grande parte deste sucesso é graças ao forte trabalho de Adrian Newey na equipe, e sério responsável dos títulos de 2010 e a bela remontada no ano passado. O RB6 se mostrou um carro quase insuperável, marcando 15 de 19 Pole Positions possíveis e tornando os Q3, na maioria das oportunidades, uma briga de dois pilotos: Webber e Vettel.

Mark que, para grande surpresa, teve o melhor ano de sua carreira. Viveu seu grande momento no campeonato nos GPs da Espanha, Mônaco e Turquia (consecutivos) onde, rapidíssimo, marcou 3 Pole Positions e venceu duas corridas, perdendo a de Istambul pela batida com Vettel, onde terminou terceiro.

Não cometeu muitos erros no ano, mas quando errou foi crucial para o título, como na Coréia. Fechou o ano em baixa, com um GP de Abu Dhabi apagado  e um mês depois a revelação de que correu as últimas 4 provas com o ombro quebrado e escondeu isso de toda a equipe.

Vettel por outro lado fez uma temporada com alguns erros e quebras injustas, mas foi sempre veloz e foi essa velocidade que praticamente lhe deu o título. Uma temporada inesquecível para o campeão mais jovem da história na Fórmula 1.

O carro:

Acredito que não há dúvidas sobre qual foi o carro dominante da temporada mais equilbrada (por ironia!) dos últimos tempos: Sebastian Vettel e Mark Webber ditaram o ritmo de quase todos os sábados de treinos classificatórios- uma dose de rapidez seguida que não se via há alguns anos- com o magnífíco carro da Red Bull em 2010, o RB6.

A verdade, porém, é que o desenvolvimento deste carro genial, que se comportou de maneira absoluta em 90% das etapas do mundial, já vem sendo programado desde 2009, ano em que Brawn e Button triunfaram diante da supremacia do RB5 no último terço (ou até metade) da temporada.

Adrian Newey, o mago da aerodinâmica na Fórmula 1, é o grande responsável por um dos carros que marcaram época na Fórmula 1, assim como os Ferrari de 2000 á 2005, por exemplo, e foi ele quem conseguiu a proeza de adaptar o difusor duplo na temporada passada ao RB5 com sucesso.

E como tudo apontava depois das últimas vitórias de Webber e Vettel no ano passado, o processo de fermentação da parte técnica do carro se completou, apesar de todas as mudanças no regulamento, como o fim do reabastecimento, o que causou uma revolução no modo de divisão das partes de um F1 e consequentemente modificou todo o carro em si, começando pelo tamannho do tanque: o dobro.

E ainda Newey criou, para este ano, um difusor de fundo duplo ainda mais eficiente que os originais, ao redesenhar os escapamentos para que a peça aproveitasse também os gases quentes que saem dali. Soma-se a isso uma asa dianteira refinada (e controversa para alguns) e o resultado foi o massacre que vimos nesta temporada.

Claro que a concorrência, em certas ocasiões, não gostou nada deste massacre. Vejamos, a mudança nos escapamentos que Newey criou em base do difusor gerou um momento de discórdia, inclusive quando se descobriu que os escapamentos que nós viamos no RB6 eram falsos e estes estavam mais abaixo, enquanto a Red Bull os escondia com uma papel autoadesivo. E, logo mais, a Ferrari os copiou no F10.

A outra grande novidade, a asa dianteira, deu ainda mais controvérsias, em que se suspeitava que eram móveis. Martin Withmarsh foi o primeiro a se expressar contra, dizendo que eram aerofólios móveis. A FIA fez uma série de testes e depois se chegou a suspeitar que a Ferrari também possuia uma com a mesma ideia aerodinâmica. Coincidência?

Isto, claro, sem contar a suspensão ativa, em que Ross Brawn afirmou que a Red Bull tinha um carro que controlava a altura do assoalho e rendeu uma das maiores (senão a maior) polêmicas da temporada, em que todos tentavam encontrar “o segredo” do RB6, que marcava Pole Positions, uma trás da outra.

Mas todos estes contratempos não foram suficientes para debater a Red Bull. Os dois títulos já são de Milton Keyes e ninguém os colocará em dúvida. Um merecimento digno de uma equipe que evolui à cada dia, que diz não ás ordens de equipe, tem um mago da aerodinâmica, dois pilotos de enorme capacidade e um carro que possui os conceitos básicos da aerodinâmica aplicados de forma justa e necessária. Acredito que por esta, em 2005, ninguém esperava.

Agora, é esperar pelo que deve ser outro foguete chamado RB7, e claro, parabenizar o trabalho de Adrian Newey e Sebastian Vettel, os campeões de 2010.

Estatísticas:

  • Pontos: 498 (201 com o sistema de pontuação usado até 2009)
  • Vitórias: 9
  • Pole Positions: 15
  • Pódios: 20
  • Posição no campeonato: 1º
  • Voltas mais rápidas: 6
  • Voltas na liderança: 699
  • Melhor posição de largada: 1º, Vettel (Bahrein, Austrália, China, Valência, Inglaterra, Alemanha, Hungria, Japão, Coréia e Abu Dhabi) e Webber (Malásia, Espanha, Mônaco, Turquia e Bélgica)
  • Melhor posição de chegada: 1º, Vettel (Malásia, Valência, Japão, Brasil e Abu Dhabi) e Webber (Espanha, Mônaco, Inglaterra e Hungria)

Vettel vs. Webber


A disputa interna no time dos energéticos este ano foi parelha e disputadíssima até o final. Webber, experiente, foi muito regular durante o ano inteiro, sempre nas primeiras posições do campeonato e líder em várias etapas.

Ao contrário de Sebastian, Mark não capitalizou no número de Pole Positions: Foram 5 (3 delas seguidas: Espanha-Mônaco-Turquia), metade das que Vettel conquistou. No entanto, Webber conseguia traduzir um bom resultado nas corridas, se mantendo estável na sua maioria- Pontou em 17 das 19 etapas, sendo que apenas não conseguiu se estabelecer entre os 10 em Valência, onde sofreu um acidente e seu carro saiu voando; e em Yeongam, onde, na chuva, errou e rodou.

Fora isso, Webber fez um campeonato fantástico, com 10 pódios, 5 poles e 4 vitórias- em suma, o melhor de sua carreira até agora. Mas apesar dos triunfos, Mark não soube ser pacífico ao longo do ano- quando algo não lhe agradava, fazia cara feia e mandava mensagens subliminares de desconforto à equipe, o que acabou causando alguns mal-estares. O episódio da asa em Silverstone é uma mostra de sua postura nesta temporada.

Enquanto isso, Vettel sempre foi amigável, companheiro, nunca trouxe discórdia ao time e, apesar de ter errado em Istambul e Spa, foi vítima de cruéis problemas mecânicos no seu RB6 em Sakhir, Melbourne e Yeongam, o que lhe custaram 63 pontos.

Mas as 10 Pole Positions conquistadas nas 19 etapas do mundial não deixam dúvidas que Vettel foi o piloto mais rápido do ano. Claro que o carro projetado por Adrian Newey contribui com esse feito, mas Seba é sem dúvida um dos pilotos que tem mais velocidade pura no grid hoje em dia.

No fim de contas, não havia quem mais merecesse o título de pilotos em 2010. Vettel conseguiu uma consistência inabalável nas últimas 4 provas- Marcou 3 Poles e venceu 3 GPs, e só não faturou o quarto pois teve um problema no motor quando liderava na Coréia, a 10 voltas do final.

Venceu Webber com supremacia e já aplica 2×0 no australiano em disputas internas- foi superior em 2009, e agora aplicou novamente a dose, e com o título. Terminaram o ano divididos por apenas 14 pontos (a 2ª menos diferença entre os pilotos de uma mesma equipe que pontuaram no mundial), e isso, por grande parte, graças à louvável decisão da Red Bull em deixar a disputa livre até o final.

Estatísticas, Sebastian Vettel:

  • Pontos: 256 (104 com o sistema de pontuação usado até 2009)
  • Vitórias: 5
  • Pole Positions: 10
  • Pódios: 10
  • Posição no campeonato: 1º
  • Voltas mais rápidas: 3
  • Voltas na liderança: 382
  • Melhor posição de largada: 1º, Bahrein, Austrália, China, Valência, Inglaterra, Alemanha, Hungria, Japão, Coréia e Abu Dhabi
  • Melhor posição de chegada: 1º, Malásia, Valência, Japão, Brasil e Abu Dhabi

Estatísticas, Mark Webber:

  • Pontos: 242 (97 com o sistema de pontuação usado até 2009)
  • Vitórias: 4
  • Pole Positions: 5
  • Pódios: 10
  • Posição no campeonato: 3º
  • Voltas mais rápidas: 3
  • Voltas na liderança: 317
  • Melhor posição de largada: 1º, Malásia, Espanha, Mônaco, Turquia e Bélgica
  • Melhor posição de chegada: 1º, Espanha, Mônaco, Inglaterra e Hungria

Conclusão:

Com a evolução nos últimos anos a lógica indica uma Red Bull ainda mais forte em 2011, tese, porém, que Newey faz questão de driblar, afirmando que “tudo pode mudar”. E Adrian tem grande parcela de razão: Nada está garantido para a próxima temporada, muito menos um domínio da Red Bull.

Mas é evidente que os holofotes estarão em Vettel e o RB7. É clara a pressão em Milton Keyes por projetar um carro vencedor- a mina de ouro chamada Vettel exigirá um cokpit competitivo e a própria cúpula admitiu isso. Ainda mais quase o jovem Sebastian já cita o nome Ferrari e Mercedes em suas declarações.

Webber também virá com força, mas, obviamente, não será o piloto número 1. Se quiser ser terá que buscar isto, e eu acredito que ele consiga, como fez na primeira metade do ano em Barcelona, Monte Carlo e Istambul- ali Webber esteve em uma forma impecável.

Será uma briga interessante e imprevisível, onde pergunto à vocês em quem apontam como favorito na disputa que já começará nos testes pré-temporada. Fiquem à vontade na sessão de comentários.

———————————————————————————————–

  • Os outros 11 artigos da Retrospectiva 2010, Equipes e Pilotos:
  1. (26/11) Virgin- E restou a última posição…
  2. (27/11) Hispania- Um ano para esquecer
  3. (04/12) Lotus- A melhor das novatas
  4. (05/12) Toro Rosso- A pior do bloco intermediário
  5. (07/12) Sauber: E se não fosse Kobayashi…
  6. (08/12) Force India- Nocauteada pelos problemas
  7. (09/12) Williams: A evolução continua
  8. (11/12) Renault: Kubica foi a estrela no ano da despedida
  9. (15/12) Mercedes: Rosberg superou as expectativas
  10. (15/12) Ferrari: Lamentando o vice-campeonato de Alonso
  11. (21/12) McLaren: Hamilton naufragou nos erros

Para mais posts da Retrospectiva, aqui. Ainda restam dois para completá-la, que serão publicados ainda nessa semana.

10 comentários em “Red Bull: Finalmente campeã!

  1. Apesar dos erros cometidos e problemas enfrentados ao longo da temporada, a Red Bull teve forças para superar as adversidades internas e superar a McLaren e a Ferrari, que mesmo com um carro inferior, deram muito trabalho ao time das bebidas energéticas, graças também as eficientes estratégias de Jenson Button e ao talento de Fernando Alonso e Lewis Hamilton. Hamilton e Alonso quase levaram o caneco, mas na hora decisiva, Sebastian Vettel mostrou maturidade e foi impecável, tirando a desvantagem e ficando com o caneco, tornando-se o mais jovem campeão da história.

  2. Acho que Seba não foi tão amigável durante todo o ano não. Ele se mostrou várias vezes revoltado com o bom desempenho de Mark. Mas o alemãozinho conseguiu deixar isso mais para “atrás das câmeras”. Diferente da postura do australiano.
    Para a temporada de 2011, Sebastian permanece como favorito da equipe, o chefe sempre teve mais “carinho” pelo garoto. Mark pode sim se tornar o número 1 da equipe, mas para isso não basta ser melhor que Seb: precisa que seu companheiro de equipe vá mal nas corridas. Exemplo disso é o primeiro semestre da temporada neste ano, mesmo indo melhor que o garotinho, não teve maior apoio da equipe. Parece que a Red Bull sempre vai acreditar que Seba vai dar a volta por cima e superar Mark. Isso é possível, tanto como o inverso! Vamos esperar a temporada de 2011 para ver!
    Abraço, e um Feliz Ano Novo a todos!

  3. A RBR., só não teve um campeonato mais tranquilo, em virtude dos erros, que ela(equipe) cometeu. Principalmente os pilotos, tiveram um comportamento as vezes nada profissional, ou pelo menos imaturo, ocasionando batidas e no final, o ombro quebrado do Webber, selou sua propria sorte. Espero, que eles apareçam em 2011 com o mesmo apetite, que demonstraram em 2010, mas torço tambem, para que as outras equipes venham bem armadas e a briga seja mais intensa e equilibrada no proximo ano.

  4. O 2010 da Red Bull será dificilmente esquecido, por todos. Um carro que muitas vezes foi colocado como ilegal, mas mesmo assim foi campeão.
    Vettel errou muito, teve muitos problemas, mas foi campeão. Isso apaga todos os seus erros, e o marca na história. Webber foi bem, e acima das expectativas. Ninguem imaginava que ele disputasse o titulo até o fim.
    Depois de pouco tempo na F1, a equipe riquissima foi campeã, e com tanto dinheiro, e com Adrian Newey fazendo o carro, o 2011 da equipe pode ser igual ou melhor…

  5. Vitória merecida do Vettel. Apesar do quase-favorecimento a ele, a RedBull está de parabéns pela conduta desportiva. Mesmo que esta esteja mascarada por um pseudo-favorecimento ao pupilo Vettel, temos que reconhecer que foi uma mudança de atitude em relação à Ferrari. Sou fã da RedBull porque os caras patrocinam vários esportes, desde a milionária F1 até modalidades menos desconhecidas. Comprei uma caixa de RedBull para comemorar o campeonato da mesma e a derrocada do Alonso. Nada contra este grande piloto, mas da maneira como sucedeu o campeonato em 2010 não seria justo este ganhar. Como também não seria justo o Vettel perder, pois teve 3 abandonos causados por falha mecânica este ano. Então pra mim a RedBull ser campeã foi uma espécie de “justiça divina”. Abraços a todos.

  6. “Um merecimento digno de uma equipe que evolui à cada dia, que diz não ás ordens de equipe”.

    Duvido que a Red Bull manteria esse “discurso” de igualdade entre pilotos se Vettel estivesse na frente em vez de Webber. Lorota…..conveniência.

    • Eu concordo plenamente. Infelizmente, a FI., atual, elege os seus “queridinhos” e dane-se o resto. O jogo da RBR foi arriscadissimo e poderia até, ter dado o titulo ao Alonso ou quem sabe até ao Hamilton e por isso mesmo, não teria prevalecido, se o beneficiado fosse o Vettel.

    • Bem, Leo, também opino dessa maneira e sigo esses princípios. Até já esclareci isso no blog no dia da final.

      Mas,. apesar de que possa ser verdade, não passa de “se”. Acredito que pelo que foi visto no Brasil e a declaração pública de ser contra, já merece destaque.

      Porém, seguindo a linha do “se”, gostaria de saber o que tivesse acontecido se em Abu Dhabi, antes do término, a ordem fosse esta: Vettel-Webber-Alonso…

  7. Sem dúvida a Red Bull mereceu o campeonato. Sem trocas de posições em pista. Corridas limpas!
    Parabéns a ela e a Você Tomás pelo Blog!

    Abraço!

    Altair Cordeiro
    @AltairF1

  8. Declaração de Lewis me surpreendeu hoje: (via Uol)

    —–

    Hamilton revela que problemas na vida pessoal o atrapalharam em 2010

    O inglês Lewis Hamilton revelou que problemas em sua vida pessoal o atrapalharam na disputa do título mundial de Fórmula 1 na última temporada. O campeão de 2008 terminou em quarto lugar, mas teve chances de conquistar o a taça até a última corrida.

    “Na minha vida pessoal, a maneira como as coisas aconteceram não foi muito tranquila, não fui tão feliz quanto poderia ter sido e fui no passado”, afirmou o piloto de 25 anos à rádio BBC, sem especificar quais foram os problemas que o afetaram.

    No entanto, sabe-se que seu pai Anthony Hamilton está doente. Conselheiro mais próximo do piloto durante a conquista do título de 2008, ele foi afastado dessa função. Na vida conjugal, por outro lado, o relacionamento com a cantora Nicole Scherzinger foi rompido em março, mas os dois voltaram antes do começo do campeonato.

    “Fazer o que eu faço é uma combinação de muitas coisas que estão em torno de você. Não é só chegar na pista e pilotar. São os eventos, as variações de humor, as pessoas que estão em sua volta: família e amigos. É o tempo que se tem para gastar com eles, e a relação que você tem com eles”, continuou.

    Hamilton deu nota 6 em uma escala de 1 a 10 para a sua temporada, e disse ainda que espera “colocar todos os problemas para fora” antes de disputar o campeonato de 2011, o seu quinto pela McLaren.

    “Faz tempo que eu não termino entre os três primeiros, e ficar em quarto não é algo de que posso me orgulhar”, avaliou Hamilton, que se comparou a Tiger Woods: “Ele é o melhor golfista, uma lenda. Teve muitos, muitos problemas no ano,mas continua jogando”.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: