Relembrando Istambul e Hockenheim 2010

A ideia do post era outra, mas realizando uma pesquisa, talvez até um pouco detalhista, me vieram a mente os episódios de Istambul e Hockenheim 2010. Como nós já estamos cansados de saber, na Turquia ocorreu o acidente entre Webber e Vettel e em Hockenheim Massa deixou Alonso passar. Você deve estar se perguntando aonde está a semelhança em um “simples acidente de corrida” e uma suja ordem de equipe. Pois bem, tentarei explicar:

No GP da Turquia o acidente que tirou a terceira vitória consecutiva de Webber e rendeu um banho de críticas a Vettel pelo seu modo de pilotar quadrado foi investigado caprichosamente por alguns blogs mundo afora e várias respostas viáveis e “científicas” foram encontradas.

Webber estava no modo de poupar combustível no momento do acidente e diminuiu as revoluções do seu motor para que a quantidade de gasolina no seu tanque fosse suficiente para chegar sem problemas até o final.

Vettel era mais rápido que o australiano já que por ter se encontrado atrás de Lewis antes da parada nos boxes havia economizado, mesmo que sem intenção, um pouco de combustível- e a sua única chance de investida seria na volta 40, onde ocorreu a batida. Na 41 também entraria no modo de conservar a realizar a ultrapassagem se tornaria muito mais difícil.

O que se seguiu depois foi um Vettel desesperado a engolir Webber antes de uma curva pois aquela seria a sua última oportunidade- mas o Aussie não aliviou e não deixou espaço algum para a tomada da próxima curva, ocasionando a batida.

O caso de Hockenheim pelo que foi escrito acima não tem quase nada de parecido com o de Istambul: Alonso era mais rápido que Massa e a Ferrari lhe mandou uma mensagem pelo rádio para que abrisse passagem para Fernando. O “quase” se refere a que Vettel e Alonso eram mais rápidos que seus respectivos companheiros.

Aliados a isso, e já não é surpresa para ninguém, Red Bull e Ferrari nutrem um favoritismo quase incondicional pelas suas duas estrelas- Vettel, por um lado, e Alonso, em Maranello.

Ambos são, agora, campeões e são em sua própria figura uma mina de ouro e propaganda, promissores e levam uma legião de fãs ao redor do mundo. Mesmo que a paixão por Seb seja recente, desde Monza/2008 já se disseminava pelo paddock que estava nele o novo Schumacher.

Com uma vitória na Turquia, Webber estaria completamente esmagando Vettel- seria sua terceira seguida na temporada. A Red Bull, e isto não se trata de nenhuma teoria conspiratória, lhe convém que Vettel vença- e não Webber. No final das contas ela conseguiu fazer isso muito bem.

Para os que não se lembram, após o GP da Turquia, Helmut Marko, dirigente da Red Bull, rendeu boas críticas a Mark Webber e Ciaron Pilbeam, o engenheiro de corridas do australiano.

Ciaron era o responsável pela comunicação com Webber via rádio e ele, em suma, era quem teria que dizer para Mark deixar Vettel passar. Obviamente Pilbeam, grande amigo de Mark na intimidade, não fez isso e a ira da Red Bull transmitiu-se ao redor do mundo de uma forma voraz e realista.

Mas… Não seria isso que Rob Smedley, engenheiro de pista de Felipe Massa foi encarregado de fazer em Hockenheim? “Fernando is faster than you, can you confirm you understood that message?” foi a mensagem que Rob deu a Felipe poucos minutos antes da ordem de equipe que crucificou a Ferrari na temporada de 2010 e provocou a ira de milhares de fãs de Felipe no Brasil e no mundo.

Em suma, os casos são idênticos- Dois engenheiros sendo forçados a comunicarem aos seus pilotos, que se encontravam na liderança da prova, cederem passagem ao seus respectivos companheiros, que eram mais rápidos.

A diferença foi que Pilbeam não acatou a ordem e Smedley sim. Apenas isso. Pois tanto quanto Red Bull e Ferrari moviam naqueles instantes interesses por Vettel e Alonso e precisavam da vitória de cada um deles. o espírito de trabalhar pela equipe, no caso da Ferrari, tentou mascarar o estrago, mas isso pouco adiantou.

O que outros também não lembram é que o mesmo Max Mosley que atacou a Ferrari pela ordem de equipe e alegou que o título de Alonso estaria colocando a credibilidade da F1 em cheque, foi quem disse que Webber estava mais lento e, portanto, tinha que deixar o Vettel passar.

O que eu me pergunto é o seguinte: Massa TAMBÉM estava mais lento do que Alonso. Logo, Mosley, ele teria que dar passagem para Alonso? São partes do quebra-cabeça que até hoje não encaixam- e não devem encaixar nunca.

O propósito deste artigo é: Red Bull e Ferrari podem, sim, estar malcriando Vettel e Alonso. Pois a verdade é esta: Para que passar maus momentos vendo uma briga entre colegas de equipe na pista pela ponta da corrida se tudo pode ser arrumado por mensagens via rádio?

E também que a corporativista Red Bull não tem nada de santa ou inocente. Apesar de nova em disputa por títulos, ela possui a mesma alma da Ferrari- apesar de que lavada, pois nem de longe uma marca de energéticos possui o prestígio construído por Enzo Ferrari em Maranello.

As duas possuem dois pilotos-marketing e suas vitórias/títulos convém mais do que o triunfo dos segundos pilotos. A realidade pode ser dura mas está aí. Só não vê, infelizmente, quem não quer.

De forma alguma, porém, isto se trata de uma defesa à Ferrari- Eu não torço por equipes. Também não me dou o direito de tirar o mérito de Vettel e Alonso- Ambos são pilotos sensacionais com muito talento, mas que estão sendo criados como reis sem precisar enfrentar o perigo de uma simples ultrapassagem em um companheiro de equipe.

Enfim. Escrevi este texto pois penso que falta um pouco de opinião por parte da mídia especializada (apesar de eu não ser, ainda) quanto a temas delicados. É mais fácil dizer que o triunfo da Red Bull é a vitória do esporte do que se empenhar em ligar as peças e ver que ela não passa, no fundo,  de uma Ferrari moderna que se move em uma única estrela e quer a sua vitória a todo custo. Pensem nisso.

18 comentários em “Relembrando Istambul e Hockenheim 2010

  1. Chama-se a isso a força do dinheiro! Este ano então é mesmo um dos que mais representa isso! 2º pilotos cheios da grana!
    Como dizias Tomas, no post atrás muito bem, sem patrocínio GRANDE não a lugar.

  2. Tomás, muito bom artigo.

    Sou contra o que a Ferrari fez. Pode até ser que estivessem tentando evitar um acidente, mas não tomaria uma atitude daquelas, e nem deixaria Alonso passar. O que digo desde aquele dia é que Massa, ali, abriu mão de disputar o título.

    A situação era outra na Red Bull pelo fato de os dois pilotos estarem dividindo a liderança do campeonato. Webber queria a terceira vitória consecutiva e, se como disse, na volta seguinte Vettel entraria no modo de conserva de combustível, por que não resistir mais uma volta? É uma das coisas que pensou o engenheiro ao não dar a ordem. Se seria a última chance de Vettel, que Webber resistisse. E o alemão afobou-se e errou.

    Ainda bem para a Red Bull que o engenheiro não mandou Webber entregar a posição, pois pegaria muito mal para o time dizer para o líder do campeonato abrir mão da vitória e consequentemente da liderança.

  3. Tomás, um dos Câncer da F1 é esse maldito radio da equipe para o piloto, bato nessa tecla a muito tempo.
    Os pilotos parecem robôs, deixam para os todos poderosos engenheiros, determinarem TUDO na corrida, até perder o campeonato mais ganho dos últimos anos, como perdeu o Alonso na última corrida.
    Tenho certeza que uma das medidas para movimentar uma prova era eliminar as comunicações diretas entre as equipes e seus piloto.

    • Felix, já acompanho sua ideia a algum tempo e refletindo, solucionaria em 80% o problema das ordens de equipe. Além disse, deixaria os pilotos mais independentes e seguros de suas atitudes- não da decisão dos engenheiros.

      Para a hora das paradas, uma luz no volante bastaria. “Pit Stop”.

      A cada dia sou mais a favor da medida que você levantou. 🙂

      • Se analisarmos friamente, nem a luz é necessária ou será que um piloto que chegou a F1, não sabe que o pneus estão gastos.
        Como fechar a porta para não ser ultrapassado?
        Que é preciso acelerar para chegar no adversário?

      • “Se analisarmos friamente, nem a luz é necessária ou será que um piloto que chegou a F1, não sabe que o pneus estão gastos.”

        Mas para a chamada dos boxes poderia ser necessário, apesar da placa na reta do pit lane.

  4. Na Turquia, os dois pilotos da Red Bull preferiram decidir a disputa na pista, mas bobearam e entregaram a vitória de bandeja para a McLaren, que soube administrar, fazendo uma boa disputa entre Jenson Button e Lewis Hamilton, mas ambos não bateram e fizeram a dobradinha.

    Por outro lado, Massa acatou as ordens da Ferrari e colocou em xeque a credibilidade que tinha com os torcedores. Nesse caso, o chilique do Alonso teve resultado, e o espanhol conseguiu a vitória no jogo de equipe, na minha opinião, desnecessário para aquele momento.

  5. Se me lembro bem, o Alonso, ainda não tinha chegado no Massa, quando começou a reclamar e pedir passagem pelo radio. Mesmo antes de entrar em confronto direto com o Massa a ordem partiu do box, para que ele abrisse passagem. Minha memoria não é lá grande coisa, mas estou certo, que o Alonso ainda não tinha alcançado o Massa, quando partiu a ordem para que esse abrisse passagem, não houve nem tentativa do Alonso de ultrapassar o Massa e foi impedido. Nesse caso, fica claro, que a equipe só visa um piloto, e fim de papo. Alias, pensando bem, se o Massa pretende ter algum sucesso esse ano, é bom deixar de ser bom moço, pois na FI., atual, bom moço não tem vez.

    • Alonso estava pertíssimo de Massa logo depois da mensagem- obviamente pois Felipe deve ter reduzido as rotações do motor levemente.

      Em suma, Alonso e Vettel eram mais rápidos do que Massa e Webber, respectivamente. Mas refletindo mais, não seria exagero dizer que parte da culpa foi de Rob em avisar Massa daquela forma. Pilbeam não o fez e Webber, apesar da batida, terminou no pódio e abriu na ocasião mais 15 pontos de vantagem para Vettel…

      • O Massa, nitidamente tirou o pé, inclusive para deixar claro, para todos, que estava obedecendo uma ordem da equipe. As descobertas posteriores é que deixaram claro, que o Alonso, vinha brigando com a equipe, já há algum tempo, para que ordenasse a Massa, que abrisse caminho. O Massa, foi desleal com a sua torcida, e o Alonso foi desleal com todo o grid, afinal, aquela vitória, poderia ter lhe dado o campeonato, o que só não aconteceu porque a Ferrari enfiou o pé na jaca, mais uma vez.

      • “O Massa, nitidamente tirou o pé, inclusive para deixar claro, para todos, que estava obedecendo uma ordem da equipe.”

        Exatamente. E eu tentei explicar isso na época, mas o calor do assunto não havia deixado muito claro.

      • A frase mais usada é “chegar é até fácil o difícil é passar”.

      • Uma duvida pertinente Tomas:
        SE o Alonso não conseguia passar Massa, mesmo estando mais rapido quase 1s, pq os outros atras conseguiriam passar Alonso???

        O mesmo Alonso que segurou Lewis e Webber na Australia???

  6. Assunto complicadíssimo. Mas para analisar a situação da Ferrari, não me parece ser tão difícil pois é uma equipe com histórico nesse ponto. Segundo que, quando contrataram o Alonso, sabiam muito bem que o mesmo não ia aceitar ser “rebaixado” ao pé de igualdade a um companheiro de equipe, seja ele quem for, pois viram o inferno que ele fez na McLaren. Ao reclamar que a situação era ridícula, deixou bem claro quem é que manda lá dentro. E terceiro, a Ferrari gastou rios de dinheiro com ele, não iriam arriscar vê-lo se rebelar.

    No caso da Red Bull, vejo como puramente interesse comercial. O jogo deles é divulgar a marca deles, e de forma semelhante às propagandas tabagistas de antigamente(sobretudo da Marlboro), tentam vincular a imagem do jovem, alegre e saudável aos seus produtos. Tenho a maior crença que nem Sebastian nem Mark exigem tratamento privilegiado de forma tão autoritária quanto Fernando. O que eu vi ao longo da temporada foi o Webber pedir igualdade de condições. Vi o Dr. Helmut Marko acusar o Mark de um erro que não foi dele(a preferência na tomada de curva era dele, o Vettel que freasse antes, se não tinha tangência pra fazer a curva). Vi o Christian Horner dar a asa dianteira do Mark para o Sebastian na maior cara de pau.

    A Ferrari faz porque põe na conta a sua história, seu nome, sua gana por vencer. Eles muito bem sabem que não precisam disso pra engrandecer o sobrenome de Enzo(aliás, têm o sujado, isso sim), façam o que fizerem, terão fãs leais por todo o mundo. Já a Red Bull precisa consolidar seu nome, espalhar sua marca, conquistar consumidores. Eu, você, qualquer pessoa ao redor do mundo é um consumidor em potencial para Dietrich Materschitz, agora sendo francos, quem aqui pode ser considerado consumidor em potencial da Ferrari?!?!?!? Pouquíssimos, e os que podem não vão deixar de comprar por causa de jogos de equipe.

    São situações diferentes, Tomás, embora as atitudes sejam exatamente as mesmas. Não é questão de justificar atitudes de Red Bull ou Ferrari, proteger uma e denegrir outra. O grande mérito da questão é que na F1 seguem à risca aquela frase famosíssima de Nicolau Maquiavel em O Príncipe¹ que diz que “os fins justificam os meios”.

    ¹:Não se trata do Alonso, hahahahah. Mas falando sério, é um livro que está na minha lista dos livros por ler!

  7. Eu definiria o GP da Turquia como a corrida maluca e o GP da Alemanha como a corrida da vergonha.

  8. ATENÇÃO Tomás: Para não ter muita briga a punição ser na mesma prova, o piloto convidado teria uma autonomia bem grande para decidir na hora a punição, gostaria muito da volta daquelas punições que o piloto ficava parado no boxe, até ser liberado pelo fiscal de pista.
    Qualquer grande piloto sabe muito bem o certo e o errado, saber as regras totais da F1, bom censo e rigidez nas punições, seria a volta da honestidade.

  9. Maravilhoso post!!! Tomas esta de parabens!!!

    Quanto a verdadeira intenção da FIA, DE MOSLEY, BERNIE só tem uma: Dinheiro que vem junto a polemica, que vem junto a divulgação e interesse da mídia, que vem junto do que o público quer ver!!!

    Logo Mosley, e Bernie querem é dar o que o publico quer, polemica, brigas, ultrapassagens, batidas, e ele inclusive esta disposto a fazer uma futura CORRIDA MORTAL, aguarde e espero daqui ha uns 10 anos!!!

    Corridas futuristicas, não serão ficção!!!KKKKKKKKKK

  10. Quanto ao jogo de equipe, sempre existiu, e sempre vai existir, desde 1900 e bolinha, a Ferrari já havia dado a ordem para Pironi deixar Gilles passa-lo, que não obedeceu, e com isso Gilles perdeu o titulo, e a Ferrari aprendeu uma lição!!!Que até hj luta em fazer, ou melhor, faz se bem, pois se fosse a minha empresa, eu queria o melhor para ela, ou seja, a VITORIA, doa a quem doer, e mesmo polemica, evitaria o que a Red Bull passou varias vezes este ano!!!

    Mas isso tem os dois lados da moeda, mesmo com a ordem a Ferrari não conseguiu fazer Alonso ser campeão, e sabe por que??? Pq Massa já estava desmotivado, e depois da ordem, se viu mais desmotivado ainda, mesmo que fez seu trabalho bem em algumas outras corridas, mas na hora H, ele não ajudou Alonso como deveria, ou como não poderia!!!
    Agora se Massa tivesse vencido aquela corrida, estaria de volta aquele Massa após Australia e Bahrein, 2007, e Australia e Malasia 2008!!!
    E quem ganharia com isso??? A Ferrari pois Massa ja estava fora da briga pelo titulo, e estaria mais forte para atrapalhar Webber e Vettel!!!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: